Corte egípcia paralisa criação de Constituinte

A Justiça interrompeu ontem por tempo indeterminado o processo de criação de uma Assembleia Constituinte no Egito. O tribunal acatou o pedido de ativistas liberais e de grupos cristãos, que questionam a legitimidade do órgão recém-criado, afirmando que ele está dominado por radicais muçulmanos e não representa a diversidade do país.

CAIRO, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2012 | 03h07

Após a primeira eleição em décadas, os partidos islâmicos conseguiram 70 das 100 cadeiras da Assembleia Constituinte. O grupo é composto por 50 deputados e 50 representantes da sociedade civil, escolhidos pelo Parlamento, que é dominado pelos religiosos.

A Justiça disse que o decreto constitucional elaborado após a queda do presidente Hosni Mubarak, que suspendeu a atual Constituição, não dava o direito a parlamentares de determinar como seria composta a Assembleia Constituinte.

De acordo com os liberais, os religiosos querem controlar o processo eleitoral e terão caminho livre para decidir o papel da sharia (lei islâmica) no Egito. Poucas cadeiras foram reservadas para jovens, mulheres e cristãos coptas, que anunciaram um boicote aos trabalhos da Constituinte. Grupos liberais e a maior instituição sunita do país, a Al-Azhar, também se retiraram do processo.

Polarização. "A decisão tornou as coisas ainda mais confusas", afirmou Mahmoud Ghozlan, porta-voz da Irmandade Muçulmana, que controla cerca da metade da Assembleia Constituinte. "Os trabalhos, que deveriam estar começando, foram interrompidos por tempo indeterminado. Isso deve aumentar as tensões e polarizar o país."

O ativista de direitos humanos Hafez Abuseada elogiou a decisão do tribunal. "Os religiosos têm de entender que o povo egípcio se revoltou contra o antigo regime justamente porque ele monopolizava o poder e excluía a oposição", afirmou. / REUTERS, NYT e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.