Corte egípcia pede pena de morte a ex-presidente Mursi

Um tribunal egípcio pediu neste sábado a pena de morte para o ex-presidente Mohamed Mursi e 106 outros apoiadores da Irmandade Muçulmana em conexão com uma fuga em massa da prisão em 2011.

STE, REUTERS

16 de maio de 2015 | 10h28

    Mursi e os demais réus, incluindo um líder da Irmandade, Mohamed Badie, foram condenados por matar e sequestrar policiais, atacando instalações policiais e fugir da prisão durante o levante de 2011 contra Hosni Mubarak.

A decisão levou a condenações imediatas da Irmandade, da Anistia Internacional e do presidente turco, Tayyip Erdogan.

    O tribunal, que deve tomar uma decisão final em 2 de junho, também buscou a pena capital em um caso separado, para o líder da Irmandade Khairat el-Shater e outros 15 por conspirarem com grupos militantes estrangeiros contra o Egito.

    As decisões, como todas as sentenças capitais, serão encaminhadas para a autoridade religiosa do Egito, o grande mufti Shawqi Allam, para dar seu parecer antes que qualquer execução aconteça. Sua opinião não tem vínculo jurídico.

    Mursi pode apelar do veredito, embora tenha dito que o tribunal não é legítimo, descrevendo todos os processos judiciais contra ele como parte do que ele chama de golpe perpetrado pelo ex-chefe do Exército Abdel Fattah al-Sisi em 2013.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOSENTENCAMURSI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.