Corte indicia 4 do Hezbollah por assassinato de Hariri

Líder do grupo radical xiita libanês rejeita colaborar com a Justiça e acusados podem ser julgados em ausência

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2011 | 00h00

O Tribunal Especial da ONU para o Líbano tornou público ontem o indiciamento de quatro integrantes de Hezbollah por envolvimento no atentado com um carro-bomba que matou o ex-premiê libanês Rafik Hariri e outras 21 pessoas em fevereiro de 2005.

O indiciamento tem como base, segundo o texto, "evidências circunstanciais" contra Salim Jamil Ayyash, Hussein Hassan Oneissi, Assad Hassan Sabra e Mustafá Amine Badreddine. Este último é cunhado de Imad Moughniyeh, comandante militar do Hezbollah que foi assassinado em Damasco três anos atrás.

Investigadores do atentado descobriram cinco redes envolvendo telefones celulares que foram usados em uma série de circunstâncias relacionadas direta ou indiretamente ao atentado. Em alguns casos, há ligações de celulares feitas perto de onde partiu a caravana de Hariri, no Parlamento, e diante do Hotel São George, na marina de Beirute, onde ocorreu o atentado.

O atual líder da oposição, o ex-premiê Saad Hariri, filho da vítima, pediu ao líder do Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, que desse "um passo histórico"e cooperasse com o tribunal. O comandante da organização xiita rejeitou o pedido e contestou as conclusões dos investigadores internacionais. Ele voltou a acusar Israel pelo atentado - o governo israelense nega envolvimento.

O caso polarizou ainda mais a sociedade libanesa, com sunitas ligados a Hariri de um lado, e xiitas, do outro. Os cristãos dividem-se entre as duas facções sectárias.

O Hezbollah é aliado do governo libanês, que será responsável por realizar a prisão. Mas analistas em Beirute afirmavam ontem isso era praticamente impossível por causa do poder do grupo. Neste caso, os quatro serão julgados em ausência. "Os acusados não serão presos nem em 300 anos", disse Nasrallah no passado, após a revelação de que eles integravam sua organização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.