Corte Internacional começará a avaliar pedido da Geórgia

Começam amanhã as audiências emergenciais na Corte Internacional de Justiça (CIJ) para avaliar o pedido da Geórgia para acabar com o que Tbilisi chama de quase duas décadas de perseguição a seus civis na região por forças russas e separatistas. A Rússia ainda não respondeu diretamente ao pedido da Geórgia à corte da ONU. Mas Moscou acusa a Geórgia de crimes contra a humanidade depois que seu exército lançou um ataque massivo no mês passado sobre a Ossétia do Sul, matando forças russas e dezenas de civis.Após três dias de audiências, os 15 juízes da corte primeiro precisam decidir se possuem jurisdição antes de avaliar a imposição de medidas imediatas para ajudar civis. Ainda que medidas sejam efetivamente impostas, não está claro se a Rússia vai aceitá-las, e o tribunal não tem como forçar a aplicação de suas decisões. A União Européia inicia amanhã uma missão para fazer a Rússia levar suas tropas para posições anteriores à guerra. O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, disse hoje estar confiante de recuperar a Ossétia do Sul e Abkházia com a ajuda "do resto do mundo". Estas duas províncias foram reconhecidas por Moscou no mês passado como regiões independentes. Em Moscou, o primeiro-ministro Vladimir Putin insistiu durante entrevista ontem que a Rússia estava certa em sua intervenção na Ossétia do Sul. Ele disse que não haverá esfriamento das relações com o Ocidente porque este depende dos recursos russos de petróleo, gás e minerais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.