Gregorio Borgia/AP
Gregorio Borgia/AP

Corte Internacional de Haia acusa al-Bashir por genocídio em Darfur

Presidente do Sudão é acusado de manter refugiados em campos de concentração em Darfur

Agência Estado e Associated Press

12 de julho de 2010 | 12h03

HAIA - O Tribunal Penal Internacional (TPI) acusou nesta segunda-feira, 12, o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, por genocídio em Darfur. A medida deve elevar a pressão diplomática sobre o isolado regime africano.

 

Quatro meses atrás, um painel de apelações do primeiro tribunal permanente para julgar crimes de guerra no mundo decidiu que juízes cometeram um "erro" quando se recusaram, no ano passado, a indiciar Bashir por genocídio. Os promotores então entraram com um processo contra ele. Nesta segunda, juízes emitiram um mandado de prisão, acusando Bashir em três casos de genocídio.

 

O procurador-geral do TPI, Luis Moreno-Ocampo, acusa Bashir de manter 2,5 milhões de refugiados de alguns grupos étnicos em Darfur em campos "sob condições genocidas, como um (campo de concentração de) Auschwitz gigantesco". A crise em Darfur, no oeste do Sudão, deixou mais de 300 mil mortos, segundo estimativas das Nações Unidas. O governo afirma que os números são exagerados.

 

A violência começou em 2003, quando tribos africanas da região se rebelaram contra o governo. As tribos queixam-se de décadas de negligência e discriminação. O governo iniciou uma contrainsurgência, durante a qual uma milícia árabe pró-Cartum teria cometido atrocidades contra a comunidade africana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.