Corte Internacional de Haia acusa presidente do Sudão por genocídio

Al-Bashir é acusado de manter refugiados em campos de concentração sob condições desumanas

Associated Press

12 de julho de 2010 | 11h21

HAIA - A Corte Criminal Internacional acusa o presidente sudanês Omar al-Bashir pelas acusações de genocídio em Darfur, um ação que deverá exercer mais pressão diplomática em seu regime isolado.

 

Há quatro meses um painel de apelação no primeiro tribunal permanente de crimes de guerra decidiu que os juízes cometeram "um erro legal" quando recusaram no ano passado a indiciar al-Bashir na acusação mais grave da lei internacional.

 

Procuradores abriram o caso novamente e nesta segunda-feira, 12, os juízes emitiram um mandado de prisão contra al-Bashir por três acusações de genocídio.

 

O procurador da corte Luis Moreno Ocampo acusa al-Bashir de manter 2,5 milhões de refugiados de específicos grupos étnicos em Darfur em campos "sob condições genocidas, como uma Auschwitz gigante".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.