Corte paquistanesa condena 7 por ataque contra premier

Uma Corte paquistanesa condenou quatro homens à pena de morte e três à prisão perpétua pela participação em um ataque suicida contra o primeiro-ministro Shaukat Aziz, informou uma fonte nesta segunda-feira. O premier foi atacado semanas antes de assumir o cargo, quando entrava em seu carro após um compromisso de campanha na cidade rural de Attock. Aziz saiu ileso do atentado, em julho de 2004, mas nove pessoas, incluindo o terrorista, morreram durante a ação. O juiz Safdar Hussain Malik, do tribunal antiterrorismo, sentenciou os homens pelo planejamento e favorecimento do ataque. O tribunal absolveu um oitavo suspeito por falta de provas, informou a fonte, que falou sob condição de anonimato. Um grupo militante que se identifica como Brigadas Islambouli da Al-Qaeda assumiu a responsabilidade pelo atentado, mas segundo o oficial, os homens condenados eram todos paquistaneses e membros da milícia ilegal Jaish-e-Mohammed. Os condenados podem apelar da sentença dentro de uma semana. O papel dos quatro homens condenados à morte não foi informado em detalhes. Os três homens sentenciados à prisão perpétua eram irmãos e foram presos em janeiro de 2005, por supostamente acolher dois terroristas suicidas antes do ataque. O cinto de explosivos de um dos homens não funcionou e ele fugiu. Quatro suspeitos de participar da ação continuam à solta.O ataque contra Aziz sucedeu dois bombardeios, em dezembro de 2003, contra o presidente Pervez Musharraf na cidade de Rawalpindi, perto da capital. Musharraf escapou dos atentados, mas 17 pessoas morreram. O apoio dos líderes paquistaneses aos Estados Unidos na "Guerra contra o Terror" causou revolta entre militantes islâmicos do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.