Corte rejeita banir partido governista

Em uma votação apertada, a Suprema Corte da Turquia rejeitou ontem banir o partido governista Justiça e Desenvolvimento (AKP), mas impôs multas por suas ações contra o secularismo e cortou 50% da assistência financeira que recebia do Estado. O AKP era acusado de tentar impor a lei islâmica ao aprovar uma emenda constitucional que derrubou a proibição do uso do véu islâmico nas universidades. A decisão evitou uma grave crise política que poderia se instalar no país com o fim do AKP, que venceu as eleições do ano passado com ampla maioria. No entanto, o caso expôs as vulnerabilidades da democracia na Turquia, que tenta ser membro da União Européia. O banimento não passou porque precisava de sete votos, mas apenas cinco juízes votaram a favor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.