Corte Suprema se recusa a rever pena de morte para menores

Uma Suprema Corte profundamente dividida se recusou, hoje, a considerar suspender a execução de assassinos que tinham menos de 18 anos quando cometeram seus crimes. Quatro dos nove juízes afirmaram que a Corte deveria continuar o reexame da pena de morte que teve início no começo do ano. Recentemente, a Corte aboliu as execuções dos retardados mentais. A Corte rejeitou uma oportunidade para rediscutir se executar assassinos muito jovens viola uma proibição constitucional com relação a "punições cruéis e incomuns". Atualmente, os Estados que permitem a pena de morte podem determinar esta pena para assassinos que tinham 16 ou 17 anos quando cometeram seus crimes."A prática de executar esses réus é uma relíquia do passado e não está de acordo com os padrões de decência numa sociedade civilizada", escreveu o juiz John Paul Stevens, ao lado dos juízes David H. Souter, Ruth Bader Ginsburg e Stephen Breyer. "Deveríamos acabar com esta prática vergonhosa", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.