Corte tunisiana acata denúncia contra Sharon

A Promotoria de Túnis acatou uma denúncia apresentada pela Organização Árabe de Jovens Advogados (OAJA) e pela Associação Tunisiana de Advogados contra o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon. O primeiro-ministro é acusado de crimes de guerra, inclusive de participação em vários massacres, entre os quais as chacinas nos campos de refugiados palestinos de Sabra e Shatila, em Beirute, em 1982, quando Sharon era ministro da Defesa do Estado judeu. Na denúncia, apresentada em 4 de julho, é solicitada a abertura de uma investigação e dos procedimentos judiciais contra Sharon por "tortura, assassinatos coletivos, genocídio e crimes contra a humanidade". O premier israelense é acusado de ter conduzido as operações de expulsão de milhares de palestinos de suas terras em 1948 e de "ter participado" da tortura de prisioneiros de guerra egípcios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.