Costa do Marfim quer ONU e França fora do país

O líder da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, ordenou que as forças de paz da ONU e as tropas da França deixem o país, segundo Jacqueline Lohoues-Oble, ministra da Educação. "O presidente da República da Costa do Marfim acabou de pedir a imediata saída de território marfinense da Unoci e das forças francesas que os apoiam", disse a ministra em um comunicado lido na rede de televisão estatal.

AE, Agência Estado

18 de dezembro de 2010 | 13h46

Tanto Gbagbo quanto o rival Alassane Ouattara declararam vitória na eleição presidencial realizada no mês passado. A ONU e a comunidade internacional reconheceram Ouattara como presidente, mas Gbagbo se recusou a deixar o cargo. Conforme a tensão entre os dois lados cresce, os apoiadores de Gbagbo acusam os 10 mil homens das forças de paz da ONU e os 900 homens da França de protegerem combatentes rebeldes.

Lohoues-Oble reiterou essas queixas. "O governo marfinense considera que a Unoci fracassou amplamente em sua missão ao implementar atos que não estão em conformidade com seu mandato", disse. "Isso significa que o governo de agora em diante se opõe à renovação do mandato de operação", que expira na segunda-feira, como afirmou a ministra. O mandato é a autorização concedida à missão da ONU pelos países membros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do MarfimONUFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.