Costa do Marfim vive toque de recolher antes de eleição

O líder oposicionista da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, disse que não vai respeitar o toque de recolher anunciado pelo presidente Laurent Gbagbo na véspera das eleições, que acontecem no domingo. Segundo Ouattara, que disputa a presidência, o toque de recolher é ilegal e inconstitucional e abre a porta para fraudes eleitorais.

AE, Agência Estado

27 de novembro de 2010 | 14h45

O presidente Gbagbo emitiu um decreto neste sábado impondo um toque de recolher em todo o país das 22h às 6h, até quarta-feira, para evitar qualquer interferência na contagem dos votos.

Ouattara deu uma entrevista após se encontrar com o presidente de Burkina Faso, Blaise Compaore, que está na capital da Costa do Marfim para conversar com os candidatos à presidência, forças de segurança e a comissão eleitoral. Ele deve se encontrar Gbagbo para tentar resolver o impasse sobre o toque de recolher. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do Marfimeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.