Costa Rica faz acusação contra Nicarágua em Haia

A Costa Rica acusou hoje a Nicarágua de violar o direito internacional ao deslocar forças militares para o seu lado de fronteira no Rio San Juan e pediu à Corte Internacional de Justiça (CIJ) em Haia, na Holanda, que ordene à Nicarágua a retirada imediata dos soldados. O governo costa-riquenho acusou Manágua de despachar soldados para o seu território, desde outubro do ano passado, como parte de um projeto de dragagem para abrir um canal próximo à foz do San Juan, no Mar do Caribe.

AE, Agência Estado

11 de janeiro de 2011 | 19h08

O embaixador da Nicarágua na Holanda, Carlos José Argüello Gómez, negou as acusações e disse que seu país realiza apenas trabalhos de dragagem no rio. De acordo com ele, a Nicarágua exerce soberania sobre um "pequeno pântano", cuja ocupação ilegal a Costa Rica denunciou. "É só a Nicarágua iniciar um trabalho modesto de limpeza e dragagem para a Costa Rica buscar motivos e começar um escândalo internacional", disse Gómez. Segundo ele, a dragagem já foi finalizada.

Em San José, a presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla, expressou sua "satisfação pela questão ter finalmente chegado ao tribunal", onde a Costa Rica "colocou em evidência o que foi denunciado com provas claras, sérias e contundentes". A disputa envolve o Google, uma vez que o oficial nicaraguense encarregado das obras de dragagens, Edén Pastora, disse a um jornal que usou o sistema de mapas do website de buscas para decidir onde deveria ser realizada a obra.

O advogado Sergio Ugalde, que faz parte da equipe da Costa Rica em Haia, destacou que o Google se apressou em corrigir o mapa errado citado pela Nicarágua. "Avisado sobre o erro e apesar dos protestos nicaraguenses, o Google reconheceu que havia errado e corrigiu o mapa no Google Earth", afirmou.

A fronteira no Rio San Juan já foi motivo de disputas entre os dois países durante quase dois séculos. Em 2009, a CIJ impôs normas de navegação no San Juan. Essas normas garantiram liberdade de navegação às embarcações da Costa Rica e determinaram que a Nicarágua possui, ao mesmo tempo, o direito de regulamentar o tráfico fluvial no rio.

A Nicarágua alega que as obras de dragagem são necessárias justamente para permitir a navegação perto da foz do San Juan. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.