Oded Balilty/AP
Oded Balilty/AP

Covid estraga mais um Natal na Terra Santa

Rígidos controles de fronteira de Israel impediram a entrada de turistas estrangeiros

Isabel Kershner / The New York Times, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2021 | 10h00

JERUSALÉM - Faltavam apenas alguns dias para as compras antes do Natal, mas no bairro cristão da Cidade Velha de Jerusalém, a maior parte das lojas estava fechada. O proprietário do Santa Maria Souvenirs, David Joseph, um cristão palestino, fechou com um cadeado a fachada de sua loja e disse que não adiantava ficar esperando. Enquanto os sinos da igreja tocavam, Silent Night flutuava melancolicamente de um café vazio para um beco deserto de paralelepípedos. 

“É triste”, disse Alessandro Salameh, outro cristão palestino que dirigia o bar. "Veja, é como uma cidade fantasma."

Israel, em um esforço para conter a variante do coronavírus Ômicron altamente contagiosa, barrou a entrada da maioria dos viajantes internacionais até pelo menos o fim de dezembro, deixando os locais sagrados da Cidade Velha sem visitantes estrangeiros por um segundo Natal consecutivo.

Aqueles que dependem do turismo ou cujos parentes não podem visitar ficaram frustrados com o governo israelense, que acusaram de incoerência e até discriminação na aplicação de restrições a viagens. O governo permitiu a entrada de concorrentes internacionais de concursos de beleza e deu aprovação especial a jovens judeus em viagens destinadas a fortalecer seus laços com Israel - enquanto impedia os peregrinos cristãos.

Em uma rua deserta na Cidade Velha de Jerusalém, a alegre entrada vermelha da casa de Issa Kassissieh, o tradicional Papai Noel da Terra Santa, prometia alguma alegria festiva. Mas sua porta estava fechada.

Um vizinho gritou em direção à varanda e apareceu Tammy Cohen, uma voluntária americana na residência do Papai Noel e uma rara visitante do exterior. Ela disse que o Papai Noel se cansou de visitar hospitais e escolas e estava tirando uma soneca.

“É um milagre chegar aqui no Natal”, disse Cohen, explicando que havia viajado de sua casa na Carolina do Norte em novembro, quando o aeroporto de Israel foi brevemente aberto para turistas estrangeiros, e ela decidiu ficar por um tempo.

Israel fez um vasto bloqueio aos visitantes estrangeiros desde que a pandemia atingiu o país pela primeira vez, em março de 2020. Depois de permitir cautelosamente a entrada de grupos de pessoas testadas, o país anunciou a vacinação total de turistas no início de novembro.

Turistas barrados

Mas os portões fecharam abruptamente novamente quatro semanas depois, com o surgimento da Ômicron. O acesso proibido também inclui os territórios ocupados – inclusive a cidade de Belém, na Cisjordânia - onde a entrada e a saída são controladas por Israel.

No final, apenas algumas centenas de milhares de estrangeiros visitaram Israel em 2020, em comparação aos mais de 4,5 milhões em 2019, um ano excelente para o turismo, quando os peregrinos cristãos foram responsáveis por cerca de um quarto do afluxo.

Os visitantes estrangeiros foram barrados em sua maioria no Natal passado, quando Israel e a Autoridade Palestina, que exerce autogoverno limitado em partes da Cisjordânia, estavam entrando em um novo pico de infecções.

A Cidade Velha, em Jerusalém Oriental, predominantemente palestina e anexada, ainda está sentindo os efeitos de todas as restrições da era pandêmica.

Enquanto isso, os israelenses têm permissão para viajar para o exterior, exceto para um número crescente de países da chamada lista vermelha. Mas, embora muitos prefiram evitar as complicações das viagens internacionais, o turismo interno compensou apenas parcialmente a queda no número de visitantes estrangeiros.

Os dados oficiais indicaram uma diminuição nas taxas de ocupação mensal dos hotéis em Jerusalém de 76% em outubro de 2019 para 30% em outubro de 2021.

Tiberíades e Nazaré, principais destinos no norte de Israel para peregrinos cristãos, também tiveram quedas acentuadas. De acordo com a Associação de Hotéis de Israel, a taxa de ocupação de Nazareth despencou para 13% nesta queda, de 80% no outono de 2019.

E Belém, venerada como o tradicional local de nascimento de Jesus, está enfrentando outra época sombria.

Ôxigênio importante

Apesar das complicações das viagens e dificuldades econômicas causadas pelo vírus, Wadie Abunassar, um conselheiro dos líderes da Igreja na Terra Santa, disse que havia esperança este ano de que até 15 mil peregrinos viessem para o Natal. “Para as pessoas em Belém, isso teria sido um oxigênio importante”, disse ele. “A comunidade está sofrendo.”

Israel, que tem uma população de cerca de 9 milhões, tem sido um pioneiro em campanhas de vacinação e reforço, com cerca de 8 mil israelenses mortos pelo vírus. Com pelo menos 340 casos confirmados de Ômicron, os líderes israelenses disseram na terça-feira que planejavam administrar uma quarta injeção para tentar evitar uma nova onda de infecções.

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, reconheceu que a decisão rápida de limitar a entrada novamente de estrangeiros poderia parecer desnecessária a muitos, mas ele a defendeu no domingo. “Este governo fez uma coisa importante”, afirmou ele, ganhando tempo e atrasando a propagação da variante em Israel. “Que pena que outros países não agiram como nós”.

Inconsistências nas políticas de viagens do governo antes do Natal têm sido fonte de desgosto. Alguns israelenses e palestinos reclamaram do fato de o país sediar o concurso internacional de Miss Universo neste mês, enquanto seus parentes próximos e turistas foram mantidos de fora. Outros questionaram a lógica de permitir que os residentes continuem a tirar férias no exterior, para países onde as taxas de infecção ainda não são claras.

Abunassar denunciou publicamente o que considerou discriminação, com o governo israelense aprovando grupos judeus de primogenitura enquanto barrava peregrinos cristãos. “Isso não é aceitável para nós”, disse ele em uma entrevista. “E se acontecesse ao contrário, e outro país no mundo permitisse a entrada de cristãos, mas não de judeus? As pessoas gritariam automaticamente antissemitismo. ”

O mais doloroso para Abunassar foi a recente aprovação israelense para a retomada de algumas viagens de Birthright - as viagens de 10 dias com todas as despesas pagas para jovens judeus. Essas viagens, parcialmente financiadas pelo governo israelense, têm como objetivo unir os judeus da diáspora em Israel e reforçar a identidade judaica.

Noa Bauer, vice-presidente de marketing da Birthright, disse que na semana passada várias centenas de participantes dos Estados Unidos e Canadá que atenderam aos critérios de vacinação poderiam viajar a Israel antes do Natal. Mas então Israel colocou os dois países na sua lista vermelha, o que significa que qualquer um que chegar de lá deverá ficar em quarentena por uma semana. Isso tornou as viagens rápidas impraticáveis e a Birthright suspendeu todas as viagens até 15 de janeiro.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel rejeitou a acusação de discriminação religiosa como "ultrajante, falsa e perigosa". Ele afirmou que o comitê do governo que trata de pedidos excepcionais também emitiu autorizações para os padres entrarem no país nas férias.

'Aguentando firme'

Sabine Haddad, porta-voz do Ministério do Interior, disse que o Birthright era um programa educacional, não um empreendimento turístico, e que os turistas judeus também foram barrados durante os festivais judaicos como a Páscoa e os Dias Santos.

Anton Sabella, o proprietário de um novo negócio no bairro cristão da Cidade Velha, a livraria e bar de vinhos The Gateway, disse que o turismo estrangeiro provavelmente não se recuperaria totalmente em um futuro próximo, então ele estava grato pelo apoio dos palestinos locais, bem como a alguns judeus israelenses e expatriados que se aventuram pela área. “Até agora”, disse ele, “estamos aguentando firme”.

Após décadas de emigração, apenas cerca de 1% da população da Terra Santa é cristã. Depois do pôr do sol, luzes decorativas são acesas no Bairro Cristão e um pequeno mercado de Natal atrai residentes locais de todas as religiões que querem ter um gostinho do feriado.

De volta à casa do Papai Noel, Kassissieh, um cristão palestino, entra em ação, recebendo grupos de todo o país. Ele disse que recebeu 14 mil visitantes em dezembro passado e esperava o mesmo para este ano.

Pode haver poucos turistas, mas Kassissieh ao menos traz um pouco do espírito natalino. “No ano passado, vi como as crianças estavam estressadas”, disse. “Vi em seus rostos que trouxe um pouco de vida de volta a elas.”


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.