Crânio profanado estava num lodaçal, diz soldado alemão

De acordo com o jornal alemão "Bild", os restos humanos profanados por soldados alemães no Afeganistão estavam em um atoleiro ou lodaçal nos arredores de Cabul, onde a população local coletava barro para fazer tijolos. O local, segundo o jornal, estava cheio de restos humanos. A informação foi fornecida ao jornal por um dos soldados envolvidos no escândalo causado pelas fotografias, algumas obscenas, de militaresmanipulando um crânio humano, tiradas na primavera de 2003. O jornal não revela a identidade da fonte. "Não era um cemitério nem um local de culto", afirma um dos soldados que aparecem nas polêmicas fotos. Ele ressalta que o tradutor afegão que acompanhava sua patrulha não se incomodou enem sequer se interessou pelo que eles faziam. O militar acrescenta que os próprios afegãos cavavam e revolviam a terra para tirar barro que usavam para fazer tijolos de adobe. "Como eles não pareciam se importar, nós da patrulha tambémnão pensamos muito", disse. O soldado contou que a patrulha parou no local, provavelmente uma vala comum clandestina, por ordem de seu responsável. Ninguém foi obrigado amanipular o crânio nem brincar com ele, "mas se não participasse da brincadeira pareceria um covarde", explicou.Tolice e arrependimentoApós reconhecer que um de seus companheiros mostrou o pênis para fazer o gesto de urinar sobre uma caveira, ele se mostrou arrependido e admitiu que foi uma tolice. Além disso, lembrou que a vida no Afeganistão era dura devido à tensão e ao medo de ataques. A visita ao local era uma distração que "todas as categorias inferiores conheciam". Já são sete os suspeitos de participar nos supostos atos de violação de túmulos e profanação de cadáveres. A rede de televisão alemã "RTL" mostrou na noite de quinta-feira imagens deoutra patrulha alemã, um ano depois, também no Afeganistão. Nelas, um militar aparece com um crânio sobre o ombro e, em outra foto,beijando uma caveira. A promotoria de Potsdam, cidade sede do comando geral do Exército, está investigando o caso. Se for comprovada a violação, os responsáveis podem ser punidos com multa ou até três anos de prisão. O caso da profanação de cadáveres no Afeganistão por parte de soldados alemães provocou uma onda de indignação na Alemanha. O Bundestag (Câmara baixa do Parlamento) condenou energicamente o desrespeito. O ministro da Defesa, Franz-Josef Jung, ressaltou que "comportamentos dessa índole não são aceitáveis no Exército Federal".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.