Cresce a onda de detenção de dissidentes em Cuba

A onda de buscas e detenções de dissidentes em Cuba continuou nesta quinta-feira até chegar a 50 pessoas, algumas de renome internacional, informaram os opositores. Nesta manhã foi detida Martha Beatriz Roque, pondo fim a uma greve de fome que ela realizava junto com outras seis pessoas. Roque foi retirada da residência onde realizava o protesto e levada primeiro a sua casa, onde a polícia deu buscas, disse um sobrinho da ativista, Yoel Alfonso. Em seguida, foi conduzida ao centro de detenção Villa Marista. A busca domiciliar demorou duas horas e terminou com a apreensão de um computador, aparelho de fax, medicamentos e "muitos papéis", acrescentou o sobrinho. Segundo assegurou, não houve violência durante as buscas. Cerca de 30 agentes civis participaram da operação.Outros dissidentes ou seus familiares deram conta de operações similares. Paralelamente, organizações internacionais como a Repórteres sem Fronteiras, o Comitê de Proteção aos Jornalistas e o Sindicato da Imprensa Independente protestaram hoje contra as prisão de uma dezena de profissionais da comunicação dissidentes. "Já contabilizamos 55 opositores detidos em todo o país e temos uma lista de uns 15 ou mais a confirmar", assegurou Ellizardo Sánchez, da ONG Comissão Cubana de Direitos Humanos. Até quarta-feira, a lista incluía apenas 30 detidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.