Cresce a pressão sobre os pais de Madeleine

Caso chega à Justiça em meio à descoberta de grande quantidade de cabelo da garota no carro alugado pelo casal 25 dias após seu sumiço

Lisboa, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2012 | 00h00

A cada dia que passa cresce a pressão sobre o casal Gerry e Kate McCann, os pais de Madeleine McCann - menina britânica de 4 anos que sumiu misteriosamente na noite de 3 de maio no quarto de um resort português onde passava férias com a família. O promotor responsável pelo caso, João Cunha Magalhães e Menezes, encaminhou ontem mesmo o inquérito de mil páginas - que havia recebido pela manhã - para um juiz criminal. Pela legislação portuguesa, o promotor pode pedir novas investigações à polícia, mas caberá ao juiz determinar os próximos passos legais no caso.O casal tornou-se o principal suspeito pelo desaparecimento na sexta-feira, após ser submetido a dois dias de intenso interrogatório. A principal evidência teria sido o resultado de testes realizados num laboratório britânico a partir de material coletado no porta-malas do Renault Scénic alugado pelo casal McCann 25 dias depois do desaparecimento da menina. O jornal Evening Standard, de Londres, noticiou ontem que fontes ligadas ao caso afirmaram ter encontrado grande quantidade de fios de cabelo e "fluidos corporais" de Madeleine no carro. Esses "fluidos" poderiam ser vestígios de sangue e tecido corporal em decomposição.A quantidade de cabelo encontrada, no entanto, chamou a atenção por ser maior do que fios que caem naturalmente ou grudam em roupas e outros objetos. Segundo o Evening Standard, a suspeita é de que o corpo da menina teria sido transportado no porta-malas. Um legista da polícia de Nova York citado por outro jornal britânico, o The Times, diz que é possível descobrir se Madeleine está morta pela amostra recolhida. "Os fios de cabelo de uma pessoa viva têm composição diferente dos de um cadáver em descomposição", disse o legista Michael Baden ao The Times.Ainda segundo o jornal, policiais portugueses admitiram que a amostra de fluido é 88% compatível com o DNA de Madeleine. Embora as autoridades nada confirmem oficialmente, a polícia investiga a hipótese de que a menina tenha sido morta de forma acidental pelo casal. Madeleine sumiu quando dormia com os irmãos gêmeos de 2 anos no quarto do Resort Ocean Club, em Portimão, sul de Portugal, enquanto os pais jantavam com amigos. A rapidez com que o processo foi encaminhado ontem ao juiz pelo promotor Magalhães e Menezes - três horas após recebê-lo - reforçou a suspeita sobre o casal. O pai de Madeleine escreveu ontem em seu blog na internet pela primeira vez depois de ser considerado suspeito. "Kate e eu temos 100% de certeza na inocência um do outro", disse. Os dois são médicos e têm 39 anos. O casal retornou à Grã-Bretanha no domingo junto com os gêmeos. Se forem acusados formalmente, os dois têm prazo de cinco dias para apresentar-se às autoridades portuguesas.AP, AFP, EFE E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.