Cresce a violência no segundo dia de greve geral no Nepal

Oposicionistas do Nepal e a polícia mantiveram nesta sexta-feira duros enfrentamentos, durante o segundo dia da greve geral convocada contra o rei Gyanendra. Grupos de opositores incendiaram uma delegacia no distrito de Lalitpur, no vale de Katmandu. A ação foi respondida com disparos para cima por parte de agentes da polícia. Pelo menos 150 ativistas foram detidos nesta sexta-feira na capital, Katmandu. A aliança de sete partidos da oposição convocou uma greve geral de quatro dias, iniciada na quinta-feira, para exigir do monarca o restabelecimento da democracia no Nepal. Segundo fontes opositoras, mais de mil pessoas foram detidas na quinta-feira em todo o país quando pretendiam participar dos protestos. As manifestações estão sendo realizadas em meio a incidentes de violência, após a proibição de concentrações públicas ordenada pelas autoridades. Essa atitude governamental foi condenada pela comunidade internacional. Confrontos As manifestações de hoje foram ainda mais violentas que as anteriores em várias áreas de Katmandu. No bairro de Patan, dezenas de estudantes queimaram um escritório dos correios e atiraram pedras contra os policiais, que utilizaram gases lacrimogêneos para dispersar os manifestantes. Grupos de jovens também atearam fogo em uma motocicleta e num táxi que trafegavam pelas ruas de Katmandu, apesar da greve geral. Os funcionários do Banco Nepal Rastra, a autoridade monetária do Nepal, abandonaram seus postos de trabalho para pedir a restauração da democracia nesse pequeno país asiático. Somente na capital, 150 líderes políticos e ativistas do Congresso Nepalês e do CPN-M foram detidos no começo da manhã, quando tentavam organizar protestos em várias áreas da cidade, segundo fontes opositoras. As lideranças da oposição qualificam como "vitoriosas" as mobilizações organizadas para protestar contra a "monarquia autárquica" de Gyanendra, e preparam uma grande manifestação para sábado, apesar da proibição de concentrações públicas.

Agencia Estado,

07 Abril 2006 | 06h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.