Cresce chance de Espanha ser atingida por crise europeia

Depois de Grécia, Portugal e Irlanda pedirem ajuda internacional, o foco de preocupação agora é a Espanha. Na última semana, investidores ficaram muito preocupados e receosos em comprar títulos da dívida da Espanha, o que elevou o custo do empréstimo aos níveis mais altos em quatro meses. Esse temor fez as bolsas de valores despencarem.

EDUARDO MAGOSSI, Agência Estado

15 de abril de 2012 | 14h08

Na realidade, as preocupações com a economia da Espanha existem há tempos. A pressão no mercado de títulos espanhol começou a crescer em 2011 à medida que o déficit do país cresceu e o desemprego se expandiu de forma expressiva. Mas no final de 2011, dois fatores ajudaram a aliviar a pressão. Primeiro, o Partido Popular de Mariano Rajoy - de direita e pró-austeridade - ganhou as eleições em novembro. O segundo fator, foi a injeção de mais de US$ 1,3 trilhão no sistema financeiro da região feita pelo Banco Central da Europa no sistema financeiro da região através de empréstimos subsidiados aos bancos.

A injeção de capital induziu os bancos a comprar dívida do governo, o que reduziu os custos de empréstimo da Espanha. Entretanto, os efeitos dos empréstimos baratos pela Europa se dissiparam e a Espanha está sentindo a ressaca da desconfiança do mercado.

A administração de Rajoy está enfrentando dois grandes desafios: ressuscitar uma economia com 23% de desempenho através da criação de empregos enquanto tenta reduzir seu déficit para satisfazer os investidores via medidas austeras. Para ajudá-los a atingir as metas, o governo já impôs cortes de gastos severos e introduziu reformas nos mercados de trabalho e no setor bancário.

Porém, os bancos espanhóis estão com grande volume de empréstimos imobiliários tóxicos e alguns dos governantes regionais do país já gastaram bem mais do que arrecadam. Rajoy já advertiu seus eleitores que a Espanha está em uma dura caminhada, e que as coisas vão ficar bem piores antes de melhorar. Com uma mão, o governo está retirando dinheiro da economia à medida que ele tenta reduzir seu déficit através de cortes austeros. Com a outra, o governo tenta criar uma economia mais eficiente através da reforma das rígidas leis trabalhistas e desta forma encorajar as companhias a recontratarem à medida que Espanha e Europa forem se recuperando.

A zona do euro recentemente aumentou o tamanho de seu colchão financeiro para ajudar seus membros, se eles não conseguirem levantar recursos no mercado. Mas a economia espanhola de US$ 1,45 trilhão é duas vezes o tamanho dos três outros pacotes de ajuda juntos. Analistas estão preocupados de que o "colchão" da UE de 800 bilhões de euros não seja grande o suficiente para lidar com a potencial ameaça vindo da Espanha e outros países endividados como a Itália. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhacrise europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.