Cresce número de menores hispânicos nos EUA

Os hispânicos superaram os negros não-hispânicos durante a década de 90 como o maior grupo minoritário entre os jovens menores de 18 anos, segundo o censo de 2000 nos Estados Unidos. O índice dá uma idéia dos desafios enfrentados pelos professores do país diante das necessidades de uma população escolar mais diversificada e numerosa do que em décadas anteriores. O número de hispânicos menores de 18 anos cresceu 59% entre 1990 e 2000, alcançando atualmente um total de 12,3 milhões, segundo o censo. Em 1990, havia 9,3 milhões de negros não-hispânicos menores de 18 anos nos EUA. No censo de 2000, 10,6 milhões de menores de 18 anos foram identificados como "negros não-hispânicos", e esse número subiu para 11,4 milhões ao serem acrescentadas as crianças não-hispânicas classificadas como "negros com mistura de pelo menos outra raça". O aumento das crianças hispânicas, combinado com os filhos da geração pós-guerra que chegarão à idade escolar nos próximos anos, fez crescer a pressão sobre o sistema escolar norte-americano. O aumento de crianças hispânicas se estende à maioria dos Estados americanos. Entretanto, o número de menores entre 10 e 14 anos de idade, seja qual for sua raça, aumentou em 20% durante a década passada até chegar a 20,5 milhões. ?As necessidades das crianças hispânicas em relação ao sistema educacional dos Estados Unidos devem ser adequadamente atendidas, uma vez que estas crianças constituirão uma parte vital da força de trabalho e da base tributária do país?, disse Sonia Pérez, vice-presidente que tem a seu cargo as investigações do Conselho Nacional da Raça, um grupo de defesa dos cidadãos de origem hispânica. "Esperamos com ansiedade o momento em que estes novos dados tenham maior impacto sobre o sistema educacional", disse Ray Miller, reitor de uma escola secundária em Millen, na Georgia. A escola de 400 alunos se prepara para receber quatro estudantes hispânicos no próximo ano. Sabe-se que esses hispânicos precisarão de ajuda no aprendizado do inglês. Os hispânicos "são uma população cada vez maior, e não podemos simplesmente sentar-nos e nos esquecermos deles", acrescentou Miller. Mais de 44 milhões de menores de 18 anos foram classificados em 2000 como "brancos não-hispânicos". A cifra subiu levemente em relação aos 43,8 milhões de 1990. Os analistas afirmam que o aumento de hispânicos se deve em parte ao aumento da imigração, mesmo tendo em conta que as cifras mais específicas sobre o tema só serão divulgadas dentro de alguns meses. ?Muitos imigrantes são jovens que trazem crianças com eles ou que têm filhos pouco depois de chegarem ao país?, disse William O´Hare, da Fundação Anne E. Casey, dedicada à defesa da infância. ?Além disso, a taxa de natalidade entre os hispânicos é mais alta do que entre os brancos não-hispânicos?, disse O?Hare.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.