Cresce número de mortos em ataques de separatistas na Índia

Doze pessoas foram assassinadas neste sábado em Assam, no nordeste da Índia, por supostos guerrilheiros da Frente para a Libertação de Assam (Ulfa), elevando para 29 o número de mortos desde sexta-feira em ataques do grupo independentista, segundo a agência de notícias PTI.O último ataque ocorreu no remoto povado de Ghuramora, no distrito de Tinsukia, quando um grupo de militantes armados disparou contra trabalhadores imigrantes de outros estados da Índia, segundo a Polícia.Na sexta-feira à noite, outras 17 pessoas morreram, em sua maioria também trabalhadores procedentes de outras regiões indianas, em diferentes ataques de supostos comandos da Ulfa nos distritos de Dibrugarh e Tinsukia.O superintendente da Polícia de Tinsukia, P.K. Bhuyan, explicou que já reforçou a segurança no povoado, localizado em uma área remota aonde se chega percorrendo cerca de vinte quilômetros a pé, o que dificultará os trabalhos de busca dos responsáveis.O grupo separatista Ulfa defendeu recentemente a "expulsão" das comunidades procedentes de fora de Assam, alegando que elas estabeleceram suas próprias "mini-regiões" dentro do estado.Segundo uma enquete recente, 95% dos habitantes de nove distritos de Assam rejeitam a reivindicação de soberania para o estado.A organização, que pegou em armas em 1979, é o principal grupo separatista das 25 organizações armadas que atuam em sete estados do nordeste da Índia, cujo objetivo é conseguir a independência ou uma ampla autonomia para seus territórios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.