Cresce o apoio à guerra nos EUA e na Grã-Bretanha

O apoio ao presidente George W. Bush e à guerra aumentou nos EUA, a partir do início da ofensiva militar. É o que informam o jornal Washington Post e a rede ABC, com uma pesquisa segundo a qual dois terços dos americanos aprovam a forma pela qual a administração Bush está gerindo a crise e estimam que o mandatário fez o que podia no âmbito diplomático, antes de invadir o Iraque. O índice de aprovação a Bush - que oscilava entre 50% e 60% antes do início do conflito - subiu para 67%. Em tempos de guerra, a opinião pública americana tende a cerrar fileiras em torno do presidente. Mas o fenômeno, sempre segundo a pesquisa, parece agora menos marcante do que em 1991: naquele ano, o apoio ao pai do atual presidente (George Bush) chegou a 80%, durante a primeira Guerra do Golfo.Já o apoio da população britânica à invasão do Iraque aumentou para 53%, contra os 50% registrados na última terça-feira, quando ainda não haviam começado as operações bélicas, revelou uma pesquisa divulgada hoje. A sondagem, realizada pela empresa YouGov e publicada pelo jornal Daily Telegraph, de Londres, também indica que 48% dos eleitores estão satisfeitos com o primeiro-ministro Tony Blair. O estudo revela ainda que a população britânica tem maior confiança em Blair do que no presidente americano, George W. Bush. Entre os consultados, 57% acreditam que o premier britânico tomará a "decisão certa" sobre o Iraque, contra 42% que confiam no chefe da Casa Branca.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.