Cresce "panelaço" em Buenos Aires

Milhares de argentinos tomaram toda a Praça de Maio e, mesmo com uma forte chuva, não pára de chegar um grande numero de pessoas. Idosos, jovens e crianças chegam gritando "A ver, a ver, quem tem a batuta, o povo unido ou o governo f.d.p.". Em outra parte da praça, mais gritos de guerra contra o governo "Que todos vão embora e que não fique um só". Apesar do clima bastante emotivo, a manifestação é totalmente pacífica e, como horas antes, não se registrou nenhum tipo de incidente com a polícia. A Avenida de Maio, que liga a Praça de Maio com o Congresso, a uma distância de pelo menos dois quilômetros, também se encontra tomada. A Argentina não está dormindo esta noite. À meia-noite (horário de Brasília), caiu uma forte chuva, mas mesmo assim ninguém foi embora da Praça de Maio. A exemplo do que ocorre no campo de futebol, os argentinos não param de gritar palavras de ordem contra o governo, pedindo o fim do congelamento dos depósitos, emprego, alimentos e, os mais radicais, a saída de Eduardo Duhalde e de seus ministros. Agora há pouco, um grupo de pessoas tentou atear fogo em um dos edifícios históricos de Buenos Aires. Minutos depois a multidão se virou gritando, pedindo que acabem com este tipo de tumulto.

Agencia Estado,

26 Janeiro 2002 | 00h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.