REUTERS/Jon Nazca
REUTERS/Jon Nazca

Cresce pressão por negociação entre governo espanhol e separatistas catalães

PSOE, ONU e UE pedem para que Madri e governo autônomo encontrem solução negociada para a crise

O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2017 | 17h03

BARCELONA, ESPANHA - Um dia depois da repressão violenta ao plebiscito independentista na Catalunha, cresce a pressão dentro e fora da Espanha por negociações entre o governo central e líderes da comunidade autônoma, em meio a incertezas sobre uma declaração unilateral de independência. 

O presidente da Generalitat – o governo autônomo catalão –, Carles Puigdemont, disse nesta segunda-feira,2, que não busca uma separação “traumática” da Espanha. Segundo ele, os nacionalistas catalães querem “um novo entendimento” com Madri.

O líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, se reuniu com o primeiro-ministro Mariano Rajoy e defendeu a abertura de negociações com o governo autônomo. A União Europeia e a ONU pressionam pelo diálogo, enquanto o governo central não admite qualquer cenário em que uma república catalã seja declarada independente. 

+Votação foi vitória de governador da Catalunha

Alberto Rivera, do Ciudadanos, que compõe a coalizão de governo, pede que o governo intervenha na Catalunha e convoque eleições regionais caso a independência seja declarada, como prevê o artigo 155 da Constituição. 

Rajoy pretende esperar e combinar com parceiros de coalizão os próximos passos. Na Catalunha, o governo autônomo prometeu declarar a independência após o plebiscito e convocou uma greve geral para a terça-feira, 3, mas pela manhã de hoje já suavizava o discurso. 

“Não queremos uma separação traumática... queremos um novo entendimento com o Estado espanhol”, disse Puigdemont, que no dia anterior declarou que votação, que atraiu milhões de eleitores desafiadores apesar de o Tribunal Constitucional da Espanha tê-la declarado ilegal, foi válida e vinculante e seria aplicada.Ele acrescentou que o resultado final provavelmente não será apresentado ao Parlamento nesta segunda-feira ou na terça-feira.

O líder catalão disse que não teve nenhum contato com o governo central espanhol e pediu que o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, diga se concorda com uma mediação das conversas sobre o futuro da região, a ser supervisionada pela União Europeia. Puigdemont também pediu a retirada da Polícia Nacional, enviada por Madri à Catalunha, que reprimiu o plebiscito de domingo com violência e deixou cerca de 900 feridos. 

Diplomacia

A União Europeia (UE) e a ONU defenderam que o governo espanhol para que estabeleça um diálogo com os separatistas catalães, dispostos a declarar de forma unilateral a independência da Catalunha, um dia depois do referendo de autodeterminação proibido pela Justiça e marcado pela violência policial.

Em um comunicado, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu ao governo conservador de Mariano Rajoy investigações "completas, independentes e imparciais" sobre "todos os atos de violência" ocorridos no domingo na Catalunha.

Por sua vez, a União Europeia pediu a Madri e Barcelona "que passem rapidamente do confronto ao diálogo", porque "a violência nunca pode ser um instrumento de política".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.