Cresce temor de radiação no Japão após acidente com operários

Primeiro-ministro afirma que crise nuclear 'não está nem perto de ser resolvida'

Reuters

25 de março de 2011 | 12h37

 

TÓQUIO - Temores de vazamento radioativo voltaram a assustar o Japão nesta sexta-feira, 25, depois que trabalhadores sofreram queimaduras tentando resfriar a usina nuclear japonesa de Fukushima danificada por um terremoto, enquanto o governo mostrou-se confuso sobre a ampliação da área de isolamento em torno do local afetado.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

O primeiro-ministro Naoto Kan, em sua primeira declaração pública sobre a crise nuclear em uma semana, disse que a situação no complexo de Fukushima, 250 km ao norte de Tóquio, "não estava nem perto do ponto" de ser resolvida. "Estamos fazendo esforços para impedir que fique pior, mas não podemos ser complacentes", disse ele a repórteres. "Devemos continuar com a guarda alta."

Os comentários mostram que há certa preocupação do Japão após alguns dias de progresso, ainda que lento, na contenção de vazamentos de material radioativo na usina de Fukushima, atingida pelo terremoto e pelo tsunami de 11 de março. A crise nuclear é novo motivo de medo entre os japoneses e ofusca o próprio tremor, que deixou mais de 10 mil mortos.

 

O governo japonês estimulou dezenas de milhares de pessoas vivendo num raio de 20 a 30 quilômetros de Fukushima a se retirarem, mas garantiu que não está ampliando a área isolada de 20 quilômetros. A China disse que níveis de radiação excessivamente altos foram detectados em dois viajantes japoneses que chegaram ao seu território.

Contaminação

Mais de 700 engenheiros vêm trabalhando em turnos o dia todo para estabilizar os seis reatores do complexo, mas se retiraram de alguns setores quando três trabalhadores que substituíam um cabo no reator 3 foram expostos a uma alta contaminação na quinta-feira, informaram as autoridades. Dois foram levados ao hospital com possíveis queimaduras de radiação depois que água radioativa penetrou em suas botas.

"A água contaminada tinha 10 mil vezes o grau de radiação que seria encontrado em água circulando de um reator operando normalmente", disse Hidehiko Nishiyama, representante da agência oficial nuclear do Japão. "É possível que haja dano no reator." Mas Nishiyama mais tarde disse a repórteres: "Pode ser por causa das operações de ventilação e pode haver algum vazamento de água dos canos ou das válvulas, mas não há dados apontando uma rachadura."

Entretanto, o quadro ficou mais confuso quando a Tokyo Electric Power Co, operadora da usina, disse ser possível que a água contaminada tenha vindo do núcleo do reator. Hideo Morimoto, diretor da Agência de Recursos Naturais e Energia do Japão, disse que o incidente no reator 3 não é sério. "Creio que se o recipiente de pressão tivesse sido seriamente danificado, muito mais radiação teria vazado", declarou.

Mas o reator é o único que utiliza plutônio em sua mistura de combustíveis, que é mais tóxico que o urânio utilizado nos outros reatores. A AIEA, agência de fiscalização nuclear da ONU, disse que um total de 17 trabalhadores receberam níveis elevados de radiação em Fukushima desde que a operação começou, mas que os outros 14 não sofreram queimaduras.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.