Cresce tensão na Venezuela frente à proximidade do referendo

A apenas 24 horas de vencer o prazo dado pelo Supremo Tribunal de Justiça ao Congresso para a escolha das autoridades eleitorais, o governo tenta deter o referendo sobre o corte no mandato do presidente Hugo Chávez, enquanto a oposição prepara manifestações de rua em favor da consulta. A eleição dos dirigentes do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), que o Congresso retardou por quatro meses, transformou-se no principal obstáculo para convocar o referendo. A oposição acusou nesta quarta-feira os governistas de tentar atrasar a convocação para o referendo com a proposta de emenda apresentada à Assembléia Nacional pela deputada chavista Iris Varela. A iniciativa propõe permitir que a maioria simples do Congresso, controlada pelos governistas, seja autorizada a nomear os novos membros do CNE e remova os atuais magistrados da corte.A Constituição, no entanto, prevê que a designação das autoridades eleitorais ou a mudança dos membros do Supremo Tribunal seja autorizada por três quartas partes do Congresso (110 deputados). Atualmente, os governistas controlam 87 dos votos da Asssembléia Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.