Crescem as denúncias de abusos contra imigrantes nos EUA

Os limitados direitos dos acusados nos tribunais de imigração estão desaparecendo devido aos ataques terroristas do mês passado, queixam-se os advogados dos imigrantes. Eles afirmam que ficou mais difícil ter acesso a seus clientes detidos e averiguar as acusações que estes enfrentam. "Temos de proteger nosso país, mas não abandonando nossa carta de direitos para pisotear pessoas de ascendência árabe", disse Justin Meehan, um advogado que trabalha como voluntário para o Centro Islâmico da Grande Saint Louis. Desde os ataques de 11 de setembro, as autoridades detiveram cerca de 700 pessoas como parte da investigação. Por sua vez, o Serviço de Imigração do governo federal, através do artigo de um de seus funcionários locais, Russ Bergeron, no jornal Saint Louis Post-Dispatch, alegou tratar-se de "uma investigação sobre o ato mais grave jamais perpetrado sobre o povo norte-americano", acrescentando que "as coisas são diferentes agora". Na zona de Saint Louis, três homens detidos após os ataques admitiram estar ilegalmente nos EUA por permanecerem no país após o vencimento de seus vistos. Mas os três negaram energicamente qualquer conexão com os ataques e colaboraram com os investigadores. Mesmo assim, continuam detidos sem direito a fiança. "Sinto que é um abuso, uma discriminação", desabafou Osama El Far, detido no mês passado depois que um companheiro que trabalhava na mesma companhia aérea, no aeroporto local de Lambert, o denunciou.

Agencia Estado,

22 Outubro 2001 | 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.