Crescem protestos sobre o custo de vida em Israel

Mais de 200 mil pessoas ocupam as ruas das principais cidades do país, pedindo reformas econômicas ao governo de Binyamin Netanyahu.

BBC Brasil, BBC

03 Setembro 2011 | 19h48

Milhares de israelenses foram novamente às ruas neste sábado em protesto contra o aumento do custo de vida no país. Cerca de 250 mil pessoas se juntaram às manifestações em Tel Aviv, Jerusalém e Haifa.

No entanto, alguns meios de comunicação israelense dizem que o número pode chegar a 400 mil.

São as maiores manifestações desde o início dos protestos, em julho. A população se diz irritada com o alto custo da moradia, da alimentação, da educação e da saúde no país.

O governo no primeiro-ministro Binyamin Netanyahu criou um comitê para examinar os pedidos de reforma, em resposta às reivindicações populares.

No entanto, ele afirmou que não poderá atender a todas as demandas dos manifestantes.

Batalha econômica

O maior protesto do sábado, parte do que os organizadores chamaram de "Passeata de um milhão de homens", aconteceu na capital, Tel Aviv.

"Eles nos disseram que o movimento estava parando. Hoje estamos mostrando que é o oposto. Nós somos os novos israelenses, determinados a continuar a luta por uma sociedade melhor e mais justa", disse o presidente do sindicato dos estudantes, Itzik Shmuli, à multidão.

Cartazes exibidos pelos manifestantes diziam "Uma geração inteira quer um futuro" e "É a terra do leite e do mel, mas não para todos".

Um dos organizadores dos protestos disse à BBC que o país transferiu atenção excessiva para as questões se segurança.

"Todas as pessoas que não sao ricas em Israel, não importa se são secularistas ou religiosas, velhas ou jovens, sabem que nós abandonamos batalhas importantes neste país, como a economia, e que só estamos lidando obsessivamente com problemas de segurança."

O correspondente da BBC em Tel Aviv, Jon Donnison, disse que o governo israelense - atento para o impacto das manifestações populares em outros países do Oriente Médio - foi surpreendido pela espontaneidade e pela dimensão das manifestações.

Segundo Donnison, muitos outros países invejam o crescimento da economia de Israel, mas muitos cidadãos acreditam que a riqueza não foi compartilhada.

Muitos dos manifestantes são de uma classe média que teve que lidar com impostos pesados e recrutamento militar.

O movimento começou em meados de julho, quando alguns israelenses irritados com o aumento dos custos de moradia armaram barracas em um bairro de Tel Aviv - e cresceu desde então. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.