Crescem vendas de máscaras antigases nos EUA

As vendas de filtros de água, antibióticos, manuais de sobrevivência e máscaras antigases aumentaram nos Estados Unidos, diante dos temores de que uma ofensiva química ou biológica possa ocorrer após os atentados terroristas de 11 de setembro. "As pessoas estão percebendo que jogar um avião contra os edifícios do World Trade Center não é o pior que poderia acontecer", explicou Hugh Brock, proprietário da loja Brock, de equipamentos militares, em Decatur, Geórgia. Em centenas de lojas dos EUA o estoque de máscaras antigases da Brock já acabou. Em outra loja em Chicago, uma cliente discutia com o balconista, que lhe explicava que só podia vender duas máscaras antigases e não seis, como queria a cliente. "Diga-me quem de minha família devo salvar", protestava a cliente. Os americanos temem que, se os terroristas puderam seqüestrar quatro aviões comerciais para lançá-los contra as torres do World Trade Center, o Pentágono e um campo na Pensilvânia, também podem usar aviões fumigadores de plantações ou caminhões carregados de armamento químico ou biológico. Depois de passar um dia inteiro procurando, sem sucesso, máscaras antigases para toda a família, Dexter Berry, empresário de Atlanta, afirmou: "Será necessário ter uma, é apenas questão de saber quando. Quero carregar uma comigo onde quer que eu vá". Na eBay, uma das principais lojas virtuais, as novas máscaras antigases israelenses estavam sendo oferecidas por US$ 150, na quinta-feira. Em uma das mais importantes livrarias virtuais, Amazon.com, o segundo livro mais vendido aborda a guerra biológica. Algumas farmácias anunciaram ter vendido o antibiótico Cipro, usado para casos de ántrax, uma bactéria mortal que teme-se que possa ser usada em um atentado de terrorismo biológico. A Secretaria de Saúde do Estado de Ohio afirmou que a venda de remédios por medo de atentado biológico "fomenta o uso incorreto de antibióticos e pode criar um sentimento de pânico injustificado, o que não é recomendável".

Agencia Estado,

01 Outubro 2001 | 17h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.