Reuters
Reuters

Crescimento de Trump nas pesquisas aumenta preocupação dos mercados

Vitória do candidato republicano representa incertezas políticas e econômicas para os Estados Unidos

O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2016 | 12h39

A menos de uma semana para a eleição presidencial americana, uma pesquisa apontando Donald Trump vencedor preocupava nesta quarta-feira, 2, os mercados, enquanto Barack Obama aumentava os esforços para apoiar Hillary Clinton.

As principais bolsas europeias fecharam em queda nesta quarta-feira, na esteira dos fechamentos em baixa em Wall Street na terça-feira (-0,7%). A bolsa de Frankfurt recuou 1,47%, enquanto Paris caiu 1,24% e Londres perdeu 1,04%, em meio aos temores de uma vitória de Donald Trump, sinônimo para os investidores de grandes incertezas políticas e econômicas.

"O risco Trump ressurgiu e com ele um desconforto sobre como a política será conduzida nos Estados Unidos", comentou à agência Bloomberg Chihiro Ohta, um corretor da SMBC Nikko Securities.

Uma pesquisa ABC-Washington Post apontou como vencedor o candidato republicano, pela primeira vez desde maio, com 46% dos votos, contra 45% para Hillary Clinton.

As demais pesquisas de opinião pública ainda apontam uma vantagem para a democrata, mas a sua média estabelecida pelo site Real Clear Politics coloca Hillary a apenas 2,2 pontos à frente de seu adversário (45,3% contra 43,1%) a nível nacional.

E Donald Trump, que recentemente disse não acreditar nas pesquisas, voltou a citá-las para dizer que está "em ascensão em todos os lugares".

"Vamos ganhar a Casa Branca", assegurou na terça-feira durante comícios em dois estados historicamente democratas, Pensilvânia e Wisconsin.

Mudança de roteiro. Após a reabertura pelo FBI do caso dos e-mails de Hillary Clinton na semana passada, Trump denunciou, apesar da ausência de qualquer informação nesse sentido, uma adversária "que enfrenta crescentes problemas com a justiça".

Nesta quarta-feira ele deve seguir Hillary na Flórida, estado indispensável para o republicano se quiser ganhar a disputa, com três comícios previstos em Miami, Orlando e Pensacola.

Hillary Clinton estará em Nevada e Arizona, dois dos dez estados onde a eleição será ganha. Enquanto o atual presidente Barack Obama, com uma enorme popularidade de fim de mandato (54% de acordo com a última média da Gallup), espera jogar o seu peso em favor de sua candidata.

Hillary pensava que os últimos dias de campanha seriam dedicados a uma mensagem unificadora depois de uma campanha particularmente ofensiva que dividiu os americanos. Mas após o anúncio do FBI, ela mudou o roteiro, retomando os ataques contra Trump./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.