REUTERS/Stringer
REUTERS/Stringer

Criança de 4 anos é resgatada após desabamento que deixou 11 mortos na Índia

Edifício em cidade próxima de Mumbai tinha cinco andares e caiu na segunda; ainda há desaparecidos

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2020 | 13h59

MUMBAI - Uma criança de 4 anos foi salva nesta terça-feira, 25, após 20 horas de trabalho das equipes de resgate após um desabamento de um edifício que deixou ao menos 11 mortos na Índia. Entre os escombros do prédio residencial de cinco andares, os socorristas continuam em busca de cerca de 60 pessoas desaparecidas.

O incidente ocorreu na cidade de Mahad, dez quilômetros ao sul de Mumbai, o principal centro financeiro do país asiático. Três equipes de resgate ainda trabalham em meio a uma massa de entulho e tijolos do que antes era um prédio com 47 apartamentos.

As autoridades temiam inicialmente que 200 pessoas estivessem soterradas, mas reduziram suas estimativas, já que muitos moradores estavam fora de casa no momento do desastre. "Ninguém sabe quantas pessoas estão realmente presas lá embaixo", disse um oficial que pediu anonimato. 

O acidente ocorreu às 19h00 locais de segunda num momento em que alguns moradores haviam saído para fazer compras. Muitas famílias também não estavam em casa porque foram embora da cidade devido à pandemia de covid-19 para se confinar em suas regiões de origem.

Até o momento, as causas do acidente são desconhecidas, mas os desabamentos de prédios são frequentes na Índia durante a temporada de monções - de junho a setembro. As fortes chuvas danificam os cimentos dos prédios e os enfraquecem. O prédio tinha 10 anos.  

As monções desempenham um papel crucial para a agricultura no sul da Ásia. Mas também causam inúmeras mortes e destruição, como inundações e desabamentos de edifícios. Em 2020, a temporada de monções já matou 1.200, incluindo 800 só na Índia. / AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Índia [Ásia]desabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.