Criança é morta durante manifestação no sudeste da Turquia

Um menino de três anos morreu depois de ser atingido por um tiro nesta sexta-feira em novas manifestações no sudeste curdo da Turquia, informaram autoridades locais. De acordo com fontes hospitalares, o menino morto nesta sexta-feira brincava em um parque na cidade de Batman, nos arredores de Diyarbakir, quando foi atingido no pescoço por uma bala de borracha perdida. Também nesta sexta-feira, um menino de seis anos e dois homens feridos nos protestos dos últimos dias na região morreram em hospitais locais, elevando a sete o número de mortos nos episódios de violência. Em outros incidentes registrados nesta sexta-feira, o exército da Turquia matou sete supostos rebeldes curdos, entre os quais havia duas mulheres, durante choques nas montanhas do sudeste do país, informou a agência de notícias Anatólia. O ambiente em Diyarbakir, a maior cidade do sudeste curdo da Turquia, parecia mais tranqüilo nesta sexta-feira. O comércio finalmente voltou a funcionar depois de três dias de violentos protestos. O prefeito de Diyarbakir, Osman Baydemir, pediu aos manifestantes que suspendessem os protestos, o que parece ter ajudado a amenizar a tensão. Baydemir milita num dos maiores partidos curdos da Turquia. Em Bruxelas, a União Européia (UE) conclamou o governo turco, que pleiteia uma vaga no bloco continental, a buscar uma ação urgente em busca de uma solução pacífica para os episódios de violência. Os protestos em Diyarbakir foram os mais violentos em mais de uma década na região onde guerrilheiros curdos lutam por autonomia desde 1984. Em Istambul, uma bomba escondida em um contêiner de lixo posicionado nas proximidades de um ponto de ônibus deixou uma pessoa morta e 13 feridas, informou a polícia local. De acordo com uma fonte policial, os investigadores suspeitam que rebeldes curdos estariam por trás da explosão.

Agencia Estado,

31 Março 2006 | 15h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.