Criança russa morta nos EUA sofreu diversas lesões

Um menino russo de três anos de idade adotado por uma família norte-americana tinha diversas lesões pelo corpo e estava desacordado quando foi socorrido há cerca de um mês no Texas, informaram hoje autoridades locais.

AE, Agência Estado

19 de fevereiro de 2013 | 18h45

O pequeno Max Shatto morreu horas depois de ter sido socorrido em 21 de janeiro. Autoridades russas afirmam que a criança foi alvo de tratamento desumano. A autópsia ainda não foi realizada.

Shirley Standefer, chefe do instituto de medicina legal do condado de Ector, no Texas, disse que havia sinais de lesões pelo corpo do menino, inclusive no baixo ventre.

Ela se recusou, no entanto, a comentar se achava que os ferimentos foram causados de maneira intencional ou acidental.

A morte de Max ganhou destaque no noticiário internacional depois de Moscou ter imposto, pouco antes, uma proibição a todas as adoções de crianças russas por famílias norte-americanas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcriançamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.