Crianças africanas podem ser jogadas no mar

As 250 crianças entre 9 e 12 anos, a bordo do navio nigeriano Etireno, que há duas semanas saíram de Benin e Togo rumo a Camarões e Gabão, na África, onde seriam escravizadas em lavouras de café e cacau, correm o risco de ser jogadas ao mar pela tripulação, temerosa de ser incriminada por tráfico e seqüestro. Tal hipótese foi levantada por Nicolas Pron, funcionário do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Ontem, a polícia identificou um empresário de Benin, Stanes Abatan, como responsável pelo embarque e tráfico das crianças.Mais informaçõesLeia Também: Navio com crianças escravas está desaparecido Navio sem destino no litoral africano. Com 250 crianças ecravas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.