Gregory Bull/AP
Gregory Bull/AP

Crianças de acampamento de migrantes adoecem em meio a frio em Tijuana

As baixas temperaturas estão começando a fazer sentir seus efeitos sobre as crianças migrantes, cerca de 50 das quais já receberam tratamento de agentes do Departamento de Saúde da Baixa Califórnia, no México, para doenças respiratórias

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2021 | 20h00

TIJUANA - Em meio às baixas temperaturas registradas nas últimas semanas em Tijuana, no norte do México, crianças que estão em um acampamento de migrantes esperando para que sejam aceitos seus pedidos de asilo nos Estados Unidos começam a sofrer de doenças respiratórias.

Os quase 1.000 migrantes que montaram um abrigo improvisado no posto fronteiriço de El Chaparral, a poucos metros dos escritórios do Instituto Nacional de Migração do México (INM), têm de suportar temperaturas de cinco graus Celsius à noite.

Durante a estadia, eles testemunharam constantes mudanças climáticas, que são comuns no Estado mexicano da Baixa Califórnia, como as recentes chuvas fortes e uma tempestade de granizo que castigou a cidade de Tijuana por dois dias.

As baixas temperaturas estão começando a fazer sentir seus efeitos sobre as crianças migrantes, cerca de 50 das quais já receberam tratamento de agentes do Departamento de Saúde da Baixa Califórnia para doenças respiratórias.

Gabriel Lucía, médico responsável pela atenção primária de saúde em Tijuana, disse que cerca de 250 consultas envolvendo crianças e adultos migrantes foram feitas, e dezenas apresentaram problemas respiratórios.

"Os casos mais comuns que têm sido diagnosticados são doenças respiratórias devido às mudanças no clima e infecções estomacais devido ao tipo de higiene que têm aqui", disse.

Diante da situação das infecções, o médico do Ministério da Saúde comentou que há um pedido constante de instalação de banheiros portáteis, pois os migrantes não têm onde tomar banho, lavar as mãos ou fazer suas necessidades fisiológicas. "É uma recomendação que sejam instalados banheiros portáteis e uma área de lavagem de mãos", afirmou Lucía.

Nenhum caso de covid-19 foi detectado entre a comunidade migrante que permanece em El Chaparral. 

Na semana passada foi desmantelado um acampamento de migrantes em Matamoros, no Estado mexicano de Tamaulipas, também fronteiriço com os EUA, depois que o governo de Joe Biden aboliu o Protocolo de Proteção ao Migrante (MPP, em inglês), que obrigava muitos solicitantes de asilo a permanecerem no México para aguardar trâmites em tribunais de imigração americanos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.