Crianças encenam ataque suicida em vídeo no YouTube

Gravação gerou críticas do Unicef; não se sabe se ela foi feita no Afeganistão ou no Paquistão.

BBC Brasil, BBC

24 de março de 2011 | 10h54

Um vídeo amador postado no site YouTube, que mostra crianças encenando um ataque suicida, gerou críticas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e de entidades de defesa da criança no Paquistão.

Ainda não se sabe a origem do vídeo, mas ele parece ter sido filmado no Afeganistão ou no Paquistão. Algumas das crianças parecem ter apenas três ou quatro anos.

A música de fundo é uma das canções preferidas do Talebã.

No vídeo, o menino se despede das crianças e se aproxima de seu "alvo", enquanto outros meninos aparentemente fingem ser membros das forças de segurança.

A areia é jogada para o alto para simular a explosão, as "vítimas" e o "suicida" fingem estar mortos.

Ainda não se sabe quem estava orientando as crianças durante a representação.

Ainda não se sabe quem coordenou a encenação das crianças

Para Abdullah Khoso, ativista defensor dos direitos das crianças no Paquistão, o objetivo do vídeo é sério.

"Esta mensagem é clara", disse ele. "No vídeo, os suicidas são mostrados como heróis. Outras pessoas e outras crianças podem vê-los como heróis e fazer o mesmo."

Para Khoso, o vídeo é uma ferramenta "para recrutar crianças militantes, que podem se tornar suicidas em grupos de militantes".

O recrutamento de crianças por militantes é um problema real na região. Os militantes buscam "mártires" jovens, pois seria mais fácil manipulá-los e eles são difíceis de ser detectados por forças de segurança.

Especialistas afirmam que oito entre dez ataques suicidas no Paquistão são feitos por adolescentes.

A polícia acredita que o ataque contra um templo em Karachi, no sul do Paquistão, em outubro de 2010, foi perpetrado por um garoto de 14 anos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.