Crianças haitianas são retiradas de centro de adoção

Quarenta e sete crianças haitianasreencontraram os pais depois de terem sido mantidas emcondições desumanas por até dois anos num centro de adoção,disse uma agência internacional na sexta-feira. As crianças, que hoje têm entre 2 e 7 anos, foram entreguespelos pais em troca da promessa de que seriam bem tratadas e deque as famílias receberiam ajuda financeira para estabelecerpequenos negócios e sustentar os outros filhos, disse aOrganização Internacional para a Migração (OIM). As crianças foram mantidas no centro, em condiçõesdeploráveis, na capital do Haiti, Porto Príncipe, aparentementeesperando uma adoção internacional, por períodos que variaramde seis meses a dois anos. Muitas estavam desnutridas e tinham doenças de pele porcausa das más condições, disse Jemini Pandya, porta-voz da IOM. Quando os pais ficaram sabendo das condições em que ascrianças estavam, e perceberam que tinham sido iludidos,denunciaram o dono do centro e obtiveram uma ordem judicialdeterminando a liberação dos filhos. "A IOM e a Fundação Pan-Americana de Desenvolvimentodevolveram 47 crianças vítimas de tráfico para seus lares eseus pais na cidade de Jeremie", disse Pandya em Genebra. As crianças foram consideradas vítimas de tráfico humanopor terem sido colocadas numa situação de exploração, disseela. Pelo menos outras 40 crianças de uma outra cidadepermaneciam no centro, afirmou a representante. A falta de recursos no Haiti, o país mais pobre doHemisfério Ocidental, impede que as autoridades que cuidam dobem-estar social investiguem todos os centros de adoçãointernacional, de acordo com ela. A IOM está dando assistência médica e psicológica àscrianças, pagando escola para elas por um ano e dando aos paisdinheiro e treinamento para ajudá-los a cuidar das famíliasnumerosas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.