Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Damian Dovarganes/AP
Damian Dovarganes/AP

Crianças hispânicas recebem cidadania americana em evento comemorativo nos EUA

Entrega de documentos faz parte das celebrações pela independência do país; mais de 150 pessoas foram beneficiadas 

O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2015 | 10h51

LOS ANGELES - Mais de 150 crianças, a maioria mexicana, receberam na quinta-feira 2, em Los Angeles, o certificado de cidadania americana como parte das comemorações pelo Dia da Independência dos EUA, que ocorrem neste sábado, 4 de julho.

A cerimônia foi um dos 50 eventos realizados pelo país nos quais milhares de imigrantes ganharam a cidadania americana. "O importante nessa cerimônia é que os pais dessas crianças trabalharam muito duro para que esse dia chegasse. Por isso, as crianças podem receber esse certificado", disse Martha Flores, porta-voz do Serviço de Imigração e Cidadania (USCIS, sigla em inglês) dos EUA.

O USCIS promove essas cerimônias para conscientizar as crianças dos benefícios aos quais terão direito após obter a cidadania. "Eu quero que ela dê valor a sua cidadania americana, já que viemos aqui para progredir. Agora ela terá todas as portas abertas para que aproveite as oportunidades, que não permaneça sentada", disse Leticia Pérez, uma imigrante oriunda de Aguascalientes, no México.

A mexicana acompanhou sua filha Alba, de 9 anos, na cerimônia para motivá-la a seguir com seus estudos, para que no futuro possa ter acesso a uma universidade. "Eu cheguei mais tarde, mas que ela se dedique aos seus estudos e siga em frente com seus próprios esforços."

A guatemalteca Flor María Romero entende muito bem os benefícios que a cidadania vai trazer para sua filha mais nova, María, de 8 anos de idade. Ela tem uma filha mais velha que já frequenta a universidade e tem residência permanente nos EUA.

"María já tem todos os direitos neste país, as leis estão mudando muito e isso lhes dá um respaldo maior. Não são apenas as portas das universidades que estão abertas, mas muitas outras coisas das quais os cidadãos têm direito neste país", disse a mãe.

Para Flor Ardón, os anos em que vem lutando desde que chegou de El Salvador, se tornaram realidade. Apesar de ela ter se tornado cidadã americana no ano passado, seu maior desejo era que seu filho, Kevin Ruiz, também pudesse obtê-la.

Muitas crianças tinham uma noção muita clara do benefício que conquistaram. "Vou participar de algo mais porque já tenho dois lugares para onde ir e viver. Quando você se sente mal lá, pode vir aqui, ao seu lugar", disse Elizabeth Alba Pérez, de 9 anos e oriunda de Aguascalientes, no México. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.