Criminosos tentam se passar por desertores

Enquanto ex-guerrilheiros e ex-paramilitares tendem a esconder seu passado em grupos armados, a Colômbia discute como evitar que criminosos mintam ter pertencido a organizações como as Farc, o ELN e grupo paramilitares para conseguir as penas brandas associadas à deserção. Nesta semana, a Suprema Corte do país decidiu que um deles, Mejía Múnera, extraditado para os EUA, é um “narcotraficante puro” e por isso não poderia se beneficiar da pena de 8 anos imposta ao líderes paramilitares que desertaram a partir de 2004. Este ano, chefes paramilitares começarão a ser libertados.

31 Maio 2014 | 20h40

Um tema de campanha sobre o qual divergem o presidente Juan Manuel Santos e o opositor Óscar Zuluaga - a eleição será dia 15 - é a punição para líderes das Farc se um acordo de paz for fechado. Zuluaga quer 6 anos de prisão, no mínimo, Santos oferece liberdade e ingresso na política em troca de informação sobre drogas e desaparecidos. / R.C.

Mais conteúdo sobre:
Colômbia guerrilhas Farc ELN

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.