Crise aumenta fluxo de imigrantes no Mediterrâneo

PARIS - O drama do exílio e as dificuldades impostas pela Europa para a imigração de sírios torna ainda pior o fluxo de refugiados em barcos pelo Mar Mediterrâneo. Pressionada pelas mortes ocorridas em 2014, a Guarda Costeira italiana agora socorre dezenas de barcos e milhares de passageiros toda semana. No início do mês, em 48 horas, as autoridades tiraram do mar nada menos do que 4 mil imigrantes em botes.

Andrei Netto, Correspondente / Paris, O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2014 | 20h23

Entre 300 mil e 600 mil pessoas estariam à espera de uma oportunidade de cruzar o Mediterrâneo em botes só na Líbia, abalada pela revolução de 2011 contra Muamar Kadafi. "É uma estimativa confirmada pela comissária para Assuntos Internos na Comissão Europeia, Cecilia Malmström", argumentou o ministro do Interior da Itália, Angelino Alfano. "É uma situação cada vez mais gritante."

O aumento do fluxo migratório fez explodir os pedidos de asilo político na Itália em 2013. De acordo com números do Centro Jesuíta Astalli, especializado no socorro a refugiados, 27,8 mil pedidos de refúgio foram protocolados no país no ano passado - 60% mais do que no ano anterior. Na Europa, o aumento foi de 32%, impulsionados em grande parte por sírios em fuga.

Outro problema é que os pedidos de asilo são apenas uma fração dos imigrantes que chegam à Europa. Só na costa italiana, 42,9 mil pessoas desembarcaram em 2013. E o fluxo tende a piorar este ano, a julgar pelo número de socorridos em abril.

Às vésperas das eleições para o Parlamento Europeu, o drama das travessias em barco no Mediterrâneo virou um dos temas centrais de debate e alvo de ataques duros de partidos de extrema direita em países da Europa. "Os cidadãos italianos acabam financiando os traficantes de clandestinos e uma invasão de nossas costas", denunciou, nesta semana, Matteo Salvini, novo líder do partido italiano extremista Liga Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.