Crise com Brasil está resolvida, afirma Evo

Um dia após se encontrar com a presidente Dilma Rousseff, o líder boliviano, Evo Morales, anunciou ontem que "está resolvida" a crise envolvendo a fuga do senador Roger Pinto Molina ao Brasil. "Lamentavelmente, por culpa de um corrupto boliviano, Pinto, tentaram nos dividir, em confronto com o Brasil. Ontem, nos reunimos com a presidente Dilma, resolvemos o problema e ninguém conseguirá nos dividir, nos colocar em confronto", disse Evo em La Paz.

O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2013 | 02h05

O líder boliviano não revelou detalhes sobre o encontro com Dilma, mas defendeu que "em temas como corrupção não pode haver asilo". Pinto, opositor do presidente, diz estar sofrendo perseguição política - alegação que o governo brasileiro tacitamente apoiou ao conceder-lhe o asilo diplomático na embaixada.

Evo se recusou a dar um salvo-conduto ao senador que se abrigara na missão brasileira em La Paz. Após 455 de confinamento em uma sala da missão diplomática, o opositor boliviano foi colocado em um carro pelo encarregado de negócios na Bolívia, Eduardo Saboia, e levado ao território brasileiro, sob escolta de fuzileiros navais. A fuga deu início a uma crise diplomática que custou o cargo do chanceler Antonio Patriota. Evo e Dilma se reuniram na sexta-feira no Suriname, na cúpula da União das Nações Sul-Americanas (Unasul). Em um gesto de amizade, Evo deu à presidente brasileira uma peça de artesanato. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.