Crise de fome se estende no sul da Somália

Região de Bay é a sexta afetada pela crise; ONU adverte para piora na situação

REUTERS e EFE

05 Setembro 2011 | 09h07

Ajude a Somália a combater a fome; saiba como

 

 

NAIRÓBI - A crise de fome na Somália se estendeu a Bay, a sexta região do sul do país na qual se declara essa situação, e ameaça se expandir ainda mais nos próximos meses, informou nesta segunda-feira a ONU em comunicado divulgado em Nairóbi.

 

Veja também:

especialCAMPANHA: Saiba como ajudar

video VÍDEO: O relato de Jamil Chade

mais imagens GALERIA: Combinação mortífera

 

"Quatro milhões de pessoas estão em crise na Somália, das quais 750 mil correm o risco de morrer nos próximos quatro meses se não houver uma resposta adequada. Dezenas de milhares de pessoas já morreram, a metade deles crianças", disse a Unidade de Análise de Nutrição e Segurança Alimentar da Somália (FSNAU), ligada à ONU.

 

Bay é a sexta região na Somália a escorregar à condição de fome desde a declaração inicial das Nações Unidas sobre a crise no país, em julho. A Somália, assolada pela guerra, tem mais de 4 milhões de pessoas, o equivalente a 53 por cento da população, incapacitadas de cumprir com suas necessidades alimentares.

 

Centenas de pessoas estão morrendo diariamente e ao menos metade são crianças, disse Grainne Moloney, da ONU, acrescentando que esperava que o restante das regiões no sul da Somália escorregaria ao estado de fome até o final deste ano.

 

As agências de ajuda humanitária só conseguiram entregar alimentos para 1 milhão daqueles em necessidade porque o grupo rebelde Al Shabaab, filiado à al Qaeda e que controla grande parte da região sul do país, não permitiu a entrada das entregas de alimentos.

 

"O índice de subnutrição (entre crianças) na região de Bay é de 58 por cento. Esse é um índice recorde de subnutrição aguda", disse Moloney, analista chefe da Unidade de Análise em Segurança Alimentar e Nutrição da ONU.

 

A fome existe onde ao menos 20 por cento das famílias não têm acesso a alimentos suficientes, mais de 30 por cento estão com subnutrição aguda e duas pessoas em cada 10 mil morrem diariamente, segundo dados da ONU.

 

O Chifre da África tem sofrido a pior seca em décadas, que afetou partes do Quênia, Etiópia, Djibouti e até a Uganda.

Mais conteúdo sobre:
Somália fome Chifre da África ONU Bay

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.