Maria Contreras Coll/The New York Times
Maria Contreras Coll/The New York Times

Crise do coronavírus avança na Espanha após país ignorar exemplos internacionais

Epidemia na Espanha é exemplo da tendência de governos ignorarem experiências de países onde o vírus já ocorreu

Raphael Minder / The New York Times, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 13h59

MADRI - No final de janeiro, um turista alemão se tornou o primeiro paciente de coronavírus da Espanha. Na época, a ameaça parecia remota. Duas semanas depois, o alemão saiu do hospital e a Espanha comemorou estar novamente "livre de vírus".

Mas, à medida que mais casos surgiram, as autoridades espanholas continuaram a enfatizar que o coronavírus estava sendo importado, principalmente por turistas da Itália. O argumento era de que a Espanha enfrentava uma ameaça externa e não havia risco de epidemia doméstica.

Mas então, em 26 de fevereiro, um morador de Sevilha, que não viajou, foi diagnostico com coronavírus. Uma semana depois, outro homem, na região de Valência, se tornou a primeira vítima de coronavírus da Espanha, iniciando uma contagem sombria que se aproxima de 14 mil mortos. A Espanha agora ocupa o segundo lugar no mundo, atrás dos Estados Unidos, no número total de casos - mais de 140 mil. 

Começando na China, o vírus passou por todo o mundo e ultrapassou um milhão de infecções na semana passada. Mas, como na maioria dos países, as autoridades espanholas trataram o vírus inicialmente como uma ameaça externa, em vez de considerar que o país poderia ser o próximo da fila. 

Os sindicatos da área da saúde estão levando as autoridades à Justiça por não protegê-las. A Espanha é o país que tem a maior taxa de profissionais da área da saúde infectados, às vezes até forçando médicos e enfermeiras a usar sacos de lixo no lugar de roupas médicas. Os pacientes dormem nos corredores do hospital. 

Em Madri, a maior pista de patinação do país se tornou um necrotério de emergência, enquanto seu principal centro de exposições foi transformado em um hospital de campanha. Segundo os sindicatos, as condições de trabalho são desastrosas. Em um dos episódios mais terríveis dessa crise, soldados espanhóis encontraram moradores mais velhos abandonados ou mortos em seus leitos de repouso. 

"Foi chocante para uma sociedade enfrentar uma situação conhecida apenas por aqueles que se lembram da Espanha saindo da guerra", disse Cristina Monge, professora de sociologia da Universidade de Zaragoza. "Esse tipo de cenário era até agora pura ficção científica".

Como resultado, o governo do primeiro-ministro Pedro Sánchez enfrentou críticas por não proibir aglomerações e por não armazenar equipamentos médicos quando o número de casos cresceu no norte da Itália no final de fevereiro. Em resposta, autoridades espanholas destacam também as deficiências de outras nações. 

O primeiro-ministro ressaltou que o Dia Internacional da Mulher, quando 120 mil pessoas se reuniram em Madri em 8 de março, também foi comemorado nas ruas de Bruxelas, Berlim, Viena e Paris. O evento foi responsabilizado por catapultar a propagação do vírus na capital. Três ministras do governo espanhol que lideraram a manifestação das mulheres mais tarde deram positivo para o vírus, assim como a esposa e a mãe de Sánchez.

"É evidente que, com o que sabemos hoje, todos nós teríamos agido de maneira diferente", disse Sánchez. A resposta do governo ao vírus também foi complicada pela natureza difusa do sistema político da Espanha, em que as 17 regiões do país ganharam progressivamente mais autonomia, incluindo a administração de hospitais, depois que a Espanha adotou uma nova Constituição em 1978. 

A diferença entre decisões regionais e nacionais também incentivou muitos moradores ricos de Madri a irem para suas casas à beira-mar, depois que todas as escolas de Madri foram fechadas, com o risco de espalhar ainda mais um vírus que já estava incorporado na capital da Espanha. 

"Um governo novo e fragmentado começa com uma enorme desvantagem nesse tipo de situação de crise, porque exige que decisões rápidas sejam tomadas sem se preocupar constantemente se outra pessoa está obtendo uma vantagem política", disse Toni Roldán, economista espanhol e ex-parlamentar do partido Ciudadanos.

"Cada região agiu de forma independente, e isso dificulta qualquer iniciativa de coordenação ou solidariedade", disse Carlos Rus, presidente da ASPE, a  associação que representa os hospitais privados da Espanha. Estima-se que cerca de 15% da população da Espanha já tenha sido infectada - de longe a maior proporção entre os 11 países europeus incluídos em um estudo recente de cientistas do Imperial College de Londres. 

"É provável que esta crise fortaleça os laços horizontais em nossa sociedade, entre os cidadãos que estão fazendo grandes sacrifícios, enquanto enfraquece ainda mais a vertical com a liderança no topo", prevê Narciso Michavila, sociólogo e presidente do GD3, espanhol. empresa de votação.

Tudo o que sabemos sobre:
Madri [Espanha]Espanha [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.