Crise do gás russo começa a ser sentida na Europa

A Europa Ocidental já começou a sentir os efeitos da disputa comercial e política entre Rússia e Bielo-Rússia em torno do fornecimento de gás. Ontem, o Parlamento Europeu confirmou que o combustível que chega à Alemanha, à Polônia e à Lituânia sofreu redução. A causa foi a decisão do governo bielo-russo de bloquear seus dutos em represália à pressão da estatal russa Gazprom, que cobra do país vizinho ? 160 milhões em dívidas.

AE, Agência Estado

23 de junho de 2010 | 07h32

Apesar das declarações de ambos os lados pregando o entendimento, a Gazprom reduziu ontem em 30% o volume de gás que é transferido para a Bielo-Rússia. Na segunda-feira, o corte era de 15%. O objetivo oficial da restrição é forçar o governo de Minsk a cumprir os acordos comerciais entre os dois países, que fixam em ? 169 o preço por mil metros cúbicos de gás, e não ? 150, pagos pela Bielo-Rússia.

Em resposta à Gazprom, o presidente bielo-russo, Alexandre Lukachenko, ordenou a interrupção do trânsito de gás russo por seus dutos em direção a outros clientes europeus. Segundo o executivo, é a Rússia que deve ao país pelo uso dos dutos. "Não devemos nada à Gazprom, e eles nos devem ? 260 milhões."

À noite, o presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek, confirmou que a Europa já sente a queda no volume de gás. Para ele, a nova "guerra do gás" mostra a ineficiência dos mecanismos criados após a última crise, em 2009. A situação só não é mais preocupante porque é verão no Hemisfério Norte, quando cai o consumo de gás. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropaRússiagáscrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.