Crise é principal tema de encontro entre Dilma e Obama

Reunidos em Nova York, dois presidentes concordaram em aprofundar discussão sobre a crise antes da próxima reunião do G20.

João Fellet, BBC

20 Setembro 2011 | 20h49

A crise econômica mundial foi o principal assunto discutido nesta terça-feira nas discussões bilaterais entre a presidente Dilma Rousseff e seus colegas dos Estados Unidos, Barack Obama, e do México, Felipe Calderón.

Segundo o ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, a conversa entre Dilma e Obama foi "muito amistosa" e tratou, entre outros assuntos, da preocupação de ambos quanto aos rumos da crise econômica global, particularmente da situação na Europa.

No encontro, os dois concordaram quanto à necessidade de aprofundar a discussão sobre a crise antes da próxima reunião do G20 (fórum que reúne as 20 maiores economias do globo), em novembro, na França.

Segundo eles, o encontro do secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta semana em Washington terá grande importância para que ambos os países trabalhem juntos em busca de soluções para a crise.

Geithner e Mantega se reunirão à margem de encontros do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial que ocorrem na capital americana nesta semana.

Comércio bilateral

De acordo com Patriota, a presidente também fez menção à necessidade de reduzir o desequilíbrio no comércio bilateral entre Brasil e Estados Unidos - a pauta de exportações brasileira concentra-se em commodities, ao passo que na americana predominam produtos industrializados, de maior valor agregado - e elogiou a proposta de Obama para combater o desemprego, anunciada no início de setembro.

Obama, por sua vez, teria convidado Dilma a visitar os Estados Unidos no início de 2012. A presidente aceitou e, agora, caberá às chancelarias dos dois países definir uma data para a visita.

No encontro seguinte, com o presidente mexicano, Felipe Calderón, Dilma afirmou que a América Latina precisa se proteger para que os ganhos conquistados nos últimos anos na região não sejam corroídos pela crise.

Ainda segundo Patriota, Calderón expressou o interesse em ampliar o comércio com o Brasil, que faz parte de seu esforço para diversificar a origem das exportações mexicanas, hoje concentradas nos Estados Unidos.

Transparência

Os encontros ocorreram no mesmo dia em que os três presidentes participaram do lançamento de uma pareceria internacional em prol da transparência governamental.

No lançamento da iniciativa, Dilma afirmou que o uso de redes digitais é essencial para a melhoria de serviços públicos. "Essas redes são um importante instrumento para nosso objetivo de fortalecer a democracia", disse a presidente, que divide a presidência da parceria com Obama.

Segundo o presidente americano, a parceria pela transparência ocorre num momento em que "democracias emergentes da América Latina à Ásia mostram como a inovação em transparência pode tornar os países mais prósperos e justos; em que uma nova geração no Oriente Médio e norte da África reforça uma verdade antiga: que os governos existem para o benefício de seu povo."

A Parceria para a Transparência Governamental agrega, além do Brasil e dos Estados Unidos, outros 40 países e terá seu segundo encontro em Brasília, em 2012. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.