Reuters/Olivia Harris
Reuters/Olivia Harris

Crise na Venezuela existe porque Chávez ‘não matou oligarcas’, diz ex-prefeito de Londres

Ken Livingstone afirmou que ‘200 famílias controlavam 80% da riqueza’ do país, e o ex-presidente venezuelano ‘permitiu que elas continuassem vivendo’

O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2017 | 11h03

LONDRES - O ex-prefeito de Londres, o trabalhista Ken Livingstone, afirmou nesta quinta-feira, 3, que uma das causas para a crise na Venezuela é que Hugo Chávez "não matou todos os oligarcas".

Apelidado de "Ken, o Vermelho", Livingstone, de 72 anos, foi prefeito entre 2000 e 2008 e está suspenso da militância no Partido Trabalhista até que sejam concluídas as investigações sobre declarações que deu afirmando que Adolf Hitler era sionista.

Hugo Chávez, que foi presidente entre 1999 e 2013, "não matou todos os oligarcas", comentou Livingstone. "Havia 200 famílias que controlavam 80% da riqueza. Ele permitiu que elas continuassem vivendo", disse em entrevista à emissora talkRADIO.

"Suspeito que muitos estão usando seu poder e seu controle sobre as importações e as exportações, os medicamentos e a comida, para enfraquecer (o presidente, Nicolás) Maduro", completou, referindo-se ao sucessor de Chávez.

Questionado se estava defendendo o assassinato de pessoas, Livingstone respondeu: "Não sou a favor de matar ninguém", mas "se Chávez os tivesse matado, não teriam a possibilidade de enfraquecer o atual governo". Ele ainda insistiu que o governo de Maduro não é uma ditadura, como defendem alguns líderes

O Partido Trabalhista não quis comentar as declarações de Livingstone, mas uma fonte frisou que ele não fala em nome da legenda. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.