Crise no Sudão segue sem solução, diz a ONU

O principal representante das Nações Unidas no Sudão informa que o governo de Cartum falhou em melhorar as condições de segurança da população de Darfur e em levar à Justiça os responsáveis pelos massacres cometidos ao longo do conflito de 19 meses na área. Jan Pronk acusa tanto o governo quanto os rebeldes de violações do cessar-fogo de abril. Ele denunciou ataques do exército, às vezes a partir de helicópteros, e atentados dos rebeldes contra a polícia. Pronk disse, porém, que parece haver "sinais de progresso na frente política", mas pediu o reforço da tropa da União Africana que atua na área, com mais poderes e atribuições, "nas próximas semanas". O governo do Sudão é acusado de usar milícias tribais árabes para oprimir a população local, dando origem a uma crise que deixou milhões de refugiados. O governo sudanês nega a acusação e diz ter desarmado alguns dos milicianos.

Agencia Estado,

05 Outubro 2004 | 15h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.