Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Crise nuclear na Coreia do Norte ‘está longe de uma conclusão’, diz Trump

Em sua conta no Twitter, presidente americano ressaltou que os EUA ‘não cederam em nada’ nas negociações com Pyongyang e que o país ‘aceitou a desnuclearização’ durante o diálogo bilateral

O Estado de S.Paulo

22 Abril 2018 | 21h03

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, disse neste domingo, 22, que a crise nuclear na Coreia do Norte “está longe de uma conclusão”, moderando a receptividade ao anúncio de Pyongyang de suspensão dos testes nucleares e de mísseis e a desativação do local em que os trabalhos eram executados.

+ Para entender: O que significa o anúncio do fim dos testes nucleares da Coreia do Norte

+ Ocidente suspeita da diplomacia de Kim

“Estamos longe de uma conclusão sobre a Coreia do Norte, talvez as coisas funcionarão, talvez não. Apenas o tempo dirá. Mas o trabalho que estou fazendo agora deveria ter sido feito muito tempo atrás”, escreveu o republicano no Twitter.

+ A liderança dos EUA na Ásia pode sobreviver ao governo Trump

+ Suspensão de testes nucleares por Pyongyang é 'avanço significativo', diz Coreia do Sul

Trump ainda ressaltou que seu país "não cedeu em nada" nas negociações com a Coreia do Norte e afirmou que Pyongyang "aceitou a desnuclearização" durante o diálogo bilateral.

"Não cedemos em nada e aceitaram a desnuclearização (genial para o mundo), o fechamento do local e o fim dos testes", escreveu ele na mesma rede social.

Recentemente, o presidente americano anunciou que o diretor da CIA e indicado como secretário de Estado, Mike Pompeo, viajou à Coreia do Norte na Semana Santa para se reunir com Kim, um encontro de alto nível que foi "muito bom", segundo Trump, e que tinha como objetivo preparar a cúpula com o magnata.

Trump se reuniu nesta semana em seu clube privado de Mar-a-Lago, em West Palm Beach, na Flórida, com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, a quem ofereceu garantias de que Washington levará em conta a segurança do Japão, aliado histórico dos EUA, quando se reunir com o líder norte-coreano. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.