Crise política tailandesa começou em janeiro

A crise política na Tailândia, que resultou em um golpe de estado nesta terça-feira, teve início em janeiro quando o primeiro-ministro tailandês foi acusado de corrupção, abuso de poder e má administração. O conflito se agravou em abril, quando o premier Thaskin Shinawatra dissolveu o parlamento e convocou novas eleições. A medida tentava recuperar o apoio dos eleitores. A manobra política, no entanto, não funcionou. A votação foi boicotada pela oposição e terminou invalidada. Em maio, o primeiro-ministro voltou ao poder, e a insatisfação de parte da população e também de grupos militares continuou. No mês passado,a relação do premier com oficiais do exército piorou. Shinawatra acusou militares de organizarem um plano para assassiná-lo. Os oficiais, por sua vez, dizem que o ministro inventou a história para conseguir apoio eleitoral. Desde então, o clima é tenso no país. Ainda em agosto, a situação se agravou quando a polícia tailandesa interceptou um carro-bomba dirigido por um militar próximo à casa do primeiro ministro.Nesta terça-feira, as forças armadas do país cercaram o gabinete de Shinawatra e revogaram a constituição tailandesa. O exército também passou a controlar estações de tevê e declarou autoridade provisória ao rei. De Nova York, onde participaria de Assembléia-Geral da ONU, Thaskin Shinawatra anunciou estado de emergência no país, e decidiu antecipar sua volta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.