Crise ucraniana não afetará fluxo de gás, diz GDF Suez

As tensões geopolíticas na Ucrânia não devem ter impacto no fluxo de gás natural da Rússia para a Europa, uma vez que isso é crucial para ambos os lados, disse hoje o presidente da francesa GDF Suez, Gérard Mestrallet.

AE, Agência Estado

24 de abril de 2014 | 13h41

"No curto prazo, nem Europa nem Rússia têm interesse no corte do fornecimento de gás", afirmou Mestrallet, em entrevista ao Wall Street Journal.

A crise atual despertou o temor de que Moscou pudesse interromper o fornecimento de gás aos países da União Europeia, uma vez que o bloco tem apoiado a Ucrânia em meio ao conflito provocado pela anexação da Crimeia pela Rússia.

Mestrallet afirmou que o vice-presidente da russa Gazprom, Alexander Medvedev, garantiu aos consumidores franceses que a companhia continuará fornecendo gás à Europa. Cerca de 14% do gás importado pela França vem da Rússia e a GDF Suez é cliente da Gazprom há 35 anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.